DESPERTAR, QUEM SABE?

O maior despertar é o de constatar-se que se trata de uma peça, uma encenação.

A diferença entre uma peça com atores, é que não há a intenção de encenar.
Todos os diálogos estão lá, escritos em cada cérebro, e o roteiro vai sendo mostrado à medida que a peça se desenrola. Não pode ser refeito. Pode terminar.

É interessante: o roteiro só se faz escrito, depois da consumação. E, então, é claro, já foi vivido.

Você não pode jamais retornar uma página para corrigir uma palavra. As palavras são ditas, inexoravelmente.
Uma notável peça que não pode ser reinterpretada.

Tal constatação é o que se chama despertar. Se você disser “iluminação”, talvez ainda esteja atuando na peça, mas não sendo um ator, atua diretamente (e só pode fazê-lo assim), com seu ego.

Despertar é constatar-se tudo isso.
Não é nada cheio de luzes ou fogos de artifício. Trata-se de uma calma infinita, um vazio não criado, um “ser” sem ter vivido.

Há uma compaixão sem tá aprendizado, uma alegria sem causa, um nascer para a Eternidade.
E só aí você fala sabe a que veio.

Lin de varga

A PERGUNTA QUE SE FAZ É A SEGUINTE: POR QUE ESSA NOTÁVEL FICÇÃO?

Por quê, se é clara a notável abrangência disso que chamamos mente, o espaço infinito que constatamos nela como realidade, além da programação mental?

Só para argumentar, porque não se quer ferir o dogma de ninguém, nenhuma Igreja, nenhum líder religioso, nenhuma crença. Aliás, o que seria da gente  esmagada por lamaçais se não fosse uma crença qualquer?

Mas, como eu dizia, só para argumentar: E se nos foi dado só este VISLUMBRE rápido da magnitude do Universo? E se vamos, efetivamente, desaparecer para sempre com nossos corpos?

Isso não seria um milagre tão extraordinário como aqueles atribuídos a Jesus?

Vocês percebem? Para mim, o notável é ser só semente, crescer como crescem as árvores, sem uma ficção sequer e desaparecer na Eternidade

Citando Bob Adamson, “É uma ilusão que “você” exista – a entidade “você” é imaginada. A imaginação que “você” existe como algo ou alguém separado é a causa da aceitação ou rejeição de algo conhecido; é uma ilusão contando a história de sua própria decepção.”

Desculpem. Quando me dei conta da ficção que eu era como conteúdo mental, que o milagre estava em ser inteiro no agora, e senti então que amava a tudo e a todos com um amor que jamais antes adivinhara, estava livre e não havia caminho de retorno.

 

Lin de Varga

#vocejafoianalisado.com

“O Ajustamento da Dobradiça”, Amazon/Kindle.

PRESENÇA

Nós temos em nós um extraordinário tesouro de consciência e amor.
Esse tesouro é a Presença. Não a presença do indivíduo ao qual nos identificamos, muito frequentemente, mas uma Presença mais vasta, mais livre, já perfeita, já terminada.
Nós não somos separados dela; ela não é uma outra presença, uma outra consciência.
Ela é aquilo que nós, verdadeiramente, somos.
Mas , simplesmente, nós não lhe prestamos atenção.
Nós olhamos além, ao longe, nós a perdemos de vista .
No entanto,esta Presença é tão próxima que nada dela nos pode separar.
Não há sequer lugar para um caminho espiritual.
Esta presença é verdadeiramente terapêutica, além de tudo aquilo que nós podemos imaginar.
Aquilo que nós procuramos, nela nós achamos :
a alegria,
o conhecimento,
o amor,
o sentido…
Eu jamais teria pensado que uma tal plenitude fosse possível.
Como dizia Douglas Harding, aquilo nos é dado: ” it’s given.”
Esta Presença nos pede justamente um pouco de atenção .
uma atenção dirigida à fonte.

José Le Roy

Tradução Lin de Varga

É, ACHO QUE SABE O UNIVERSO

Às vezes, me pergunto , triste, o que o homem seria se não tivesse, afoito,
Inventado o tempo. Se tivesse aguardado para ouvir o silêncio das esferas – a lua – o sol – o verde -,o vento sussurrando nas quimeras.

Em verdade, o ser humano tem a capacidade, mas, de ordinário, não vive a vida real que existe e está além da intenção humana.
De fato, não há vida a ser vivida no âmbito a que o homem se impôs.
Vejo dentro de mim a sombra que está dentro de todas as pessoas; ninguém constata a energia que lhe caberia da energia total.

Se eu fecho os olhos e presto atenção ao meu interior, constato nele o infinito anterior a toda manifestação, antes mesmo de todas as galáxias (o que não quer dizer de meu aparato físico cerebral). A plena escuridão que lá constato é a natureza única de tudo.
As pessoas gostam da ideia da supra consciência inundada de luz; mas não; ela está inundada de vastidão. O que somos, intrinsecamente. Isto é ser “intrínseca-mente” e é a mais alta percepção. O resto, é imaginação.

Que todo o passado seja perdoado. Nem que sejamos nós mesmos a nos perdoar, “porque o sofrimento é o esquecimento de quem, realmente, somos: a própria vida. (1). E “Sua verdadeira natureza dissolve as fixações da mente.” (2). Saiba que na “solitude do nada o absoluto contempla sua beleza.”(3). E, finalmente, tudo que se diz parece ser pura redundância, porque “alma, ente ou ego são meras palavras.Não há entidade assim. Consciência é a única verdade. (4).
Não é maravilhoso saber-se Pura Consciência e estar, neste saber, em companhia desse pessoal aí?
(1) Jeff Foster.
(2) Gilbert Schultz.
(3) Rumi.
(4) Sri Ramana Maharshi.

Mas se me silencio, e o meu silêncio tem intenção, ouço o animal vagando em florestas profundas, e o galo que cocorica nas manhãs.
Mas se sou o silêncio, o último pássaro estanca seu vôo, e seu canto para, porque SOU, SOU, SOU.

Lin de Varga

SEM NOÇÃO

Durante dias e dias choveu por aqui na cidade em que estou no sul das Minas Gerais.
Hoje,amanheceu um céu belíssimo,azul puro até onde a vista alcança.As matas verdejam e há silêncio na manhã, ainda cedo.

Quando eu era criança tinha uma fantasia,às vezes,ao olhar o céu:que um bólido vinha lá do espaço, um asteroide ou coisa assim, e nos destruía a todos.
Que fantasia,hein?

Agora,é realidade.O homem conseguiu; chegou lá, em sua inconsciência .Uma bomba atômica pode iniciar a 3 Guerra Mundial.
Vocês acham que é fantasia?

Tudo está conectado: os efeitos dos incêndios na Austrália são constatados já no Rio Grande do Sul.O petróleo sobe, porque mataram o General no Iraque.

Nisargadatta diz que a pessoa é um “mal-entendido”(cito de memória);tendo a concordar.
O ser humano não sabe a que veio. Não entende o milagre que é estar sobre a Terra e fazer parte deste Universo infinito.
E quer se destruir nesta ignorância que o incomoda.

Lin de Varga

←Antigos