DENEUVE, TRUMP E OPRAH

Agora, apareceram as francesas! Bonitinha a Deneuve, do alto de 74 anos de vida e, suponho, não tendo mais que se preocupar com papéis no cinema, indo DE encontro às colegas de Hollywood.Tudo, por causa do abuso sexual. Não a critico: É isso que fazem seres humanos.

As americanas lá, muito provável e certamente machucadas por produtores poderosos que as queriam comer, em troca de um papel de destaque quantas não são famosas, hoje, a partir daí., de tal suplício.

O certo é que isso vai produzir “maravilhosos ” comentários dos âncoras na Tv: é moda, você sabe, e eles adoram. Gosto de ver a disputa de egos (quando vejo, já na raridade das vezes). Nem é disputa; é quase uma terapia, uma descarga; ninguém os pode contradizer no momento.

O SBT não deixou a Sherazade opinar e como ela ficou boa de se ver! Um dos poucos jornais televisivos que apresentam a notícia cristalina; você direto, sabendo, e formando sua, SUA opinião. Legal.

Não falo, é claro, da honestidade da notícia, isso deve ser próprio de todo jornalismo.
Honras a fazer, O Jornal Nacional também não faz comentários; e quando os faz o Bonner diz coisas como usar, devidamente, o celular, para que a notícia filmada na rua possa melhor ser aproveitada no jornal. Legal também, seres humanos somos todos.

Assim como é terrível a mulher ser submetida a ofensas pessoais deste tipo(sem falar da horrível e profunda tristeza de se estar em um coletivo e ter que sentir o pau de um bossal qualquer), devemos supor, só supor, que umas pouquíssimas mulheres vão se aproveitar disso para… Como dizer? alcançar uma certa independência?

E até o Kirk Douglas, com cento e um anos, não escapou agora de uma história lá longe, quando teria “feito mal” à Natalie Wood.
Ela já partiu há muito tempo, afogada, literalmente, em mágoas.

Daqui a pouco passa, como passam as ficções, tão certo como a Coréia do Sul e a do Norte, já foram à mesa de negociações e a Guerra definitiva foi empurrada um pouquinho. Oprah será candidata à Presidência dos EEUU e Trump continuará nas manchetes.

lin de varga

EIS QUE TRAGO O QUE SABE O NAO MANIFESTO

QUEM SE ILUMINA?

Escolha quem você quer ser hoje. Ao despertar, pegue sua máscara e vá viver sua ficção. Isso não atinge sua verdadeira natureza, se você sabe, realmente, quem é.

QUEM SE ILUMINA?

“Tudo é inventado espontaneamente a cada momento. É o espetáculo… é a magia ou a ilusão do sonho… é assim… o indivíduo também inventa o despertar ou a iluminação.”
Dominique Dupont

Eu lhe digo: Isto é um MANTRA; nada mais precisaria ser dito. Se você o constata, se você o constata efetivamente, ESTÁ LIVRE.
É até redundância dizê-lo a você, se você está desperto para tal verdade. Já nem falo da ficção, nascida do sonho. MAS QUANTOS INVENTAM A ILUMINAÇÃO PARA VOCÊ?

Douglas Harding, em dado momento de sua teoria, diz que não pode haver maior mistério do que o fato de as pessoas não perceberem sua verdadeira natureza, já que ela está claramente acessível.
Não sei o porquê de tal mistério, mas agradeço ao Universo ter constatado isso em vida física

É ISSO

É interessante: agora, vivendo nesta despertude que é o momento presente, de fato como se todas as coisas se iluminassem à minha visão aberta, faço uma brincadeira; tento puxar uns daqueles estados anteriores, de tristeza ou depressão, ou ansiedade. Nada vem; eles não têm mais utilidade; não existe um alguém que com eles possa sofrer.
Então, agradeço esta graça ou sorte e volto a contemplar o milagre de viver a cada instante.

De fato, as coisas não se iluminam à minha presença: É força de expressão. Eu é que as vejo diretamente, dissolvendo-me nelas
A real felicidade é, quando o pensamento surge, sabê-lo uma miragem.
Experimente: uma visão, a energia da ideia procura as palavras, coloca-as em ordem; então você tem o que se chama pensamento. Dissolve-se no nada, se constrangido por sua atenção, ou se transforma em outro, e outro, talvez em um filme sem roteiro. Tomado assim, impotente à sua atenção completa, o pensamento se esvai. Fica a real natureza, a essência, a pura consciência.

Lin de varga

EIS QUE TRAGO O QUE SABE O NÃO MANIFESTO

PENSAR FORA DA CAIXA

“Nossas vidas estão marcadas em sendas neuronais de nosso cérebro, como uma assinatura única que carregamos. Mudar o cérebro do ponto de vista neurológico é possível, para tanto a neuroplasticidade nos ensina sobre a capacidade de nosso cérebro de fechar antigas trilhas neuronais e abrir novas vertentes, em qualquer idade e em qualquer momento. Pensar fora da caixa significa romper o ciclo neuroquímico habitual,superando nossos medos, crenças limitantes e falta de confiança em nós mesmos, esclarece a Professora Sônia Pereira.”

Muito bem:Fragmento do texto de Paulo Roberto Botelho, jornalista, no jornal “PRANA”, do RJ, do mês de novembro/2016.Refere-se à professora citada,que trabalha com Alta Performance Neural e Empoderamento das habilidades mentais.”

Por que cito tudo isso? Porque gosto de saber dessa situação “física” do cérebro, a capacidade dele de mudança, a partir de exercícios,por assim dizer,como se fossem as nossas pernas , que melhoram a partir de caminhadas, ou o estômago aliviado com uma dieta balanceada.

Pode existir prova mais contendente de que não somos essa máquina chamada cérebro, que nos auxilia enquanto estamos ocupando esses corpos sobre a Terra e somos,isso sim, a vastidão inapelável que percebemos a 180 graus do olhar voltado à Inteligência Infinita?

“Pensar fora da caixa.”É isso.

Lin de Varga

EIS QUE TRAGO O QUE SABE O NÃO MANIFESTO

NADA CORROMPE

Deixa fugir o o pensamento aonde for. Ele não sabe nem mesmo de si próprio. É ave que procura a liberdade fora de ti. Quer dissolver-se no nada. Deixa-o em seu destino. Tu és imutável e eterno em tua natureza. Nada te pode corromper.

Uma vez, no início de uma poesia, escrevi algo como “Eu pertencia a Vênus e Vênus me pertencia.”
Mas era só uma intuição. Agora sei: Um grão de matéria lá, em Vênus tem a minha tessitura e vice-versa. E isso, ninguém poderá tirar de você. Não é negociável. Nada lhe pode corromper. É o que É.

Às vezes, me pergunto que “vento” me trouxe aqui e me fez esse Lin , meu nome e identidade, profissão, etc ). Poderia tal vento ter me levado a um outro corpo. E eu seria você?
Isso é uma estupidez (no mínimo) , julgar o outro Você se julga a si mesmo e perde sua verdadeira identidade, aquela que também é a identidade eterna de Vênus.

Mas qual poesia se pode escrever a partir desse vazio criativo que nos faz em nossa verdadeira natureza? Não terá palavras, é certo. Nem limites, por impossível.
Tal poesia pertence à semente, que não vemos, mas que faz a flor. Há como senti-la sem nenhum sentimento, quando todos os registros deixaram a impregnação do cérebro.
Talvez seja possível ouvi-la como se ouve o estalar da lenha sendo consumida pelo fogo.
Ouvir a flor desabrochando é meditação. Nada a pode corromper.

Lin de Varga

É difícil explicar
(As palavras não alcançam),
que não existe nada lá.
.

Às vezes,percebo um lampejo,
mas é só uma estrela
cruzando a ausência de desejo.

Nao me culpem,
não posso mentir.
Eu constatei:

Não existe nada lá.

Nenhum resquício do meu eu,
que eu acreditava grande.
Tudo que era de dor feneceu.

Não existe nada lá.

Pode procurar,
nada vai encontrar.
Porque você quer que eu responda?
Eu não sei.
É no meu coração que está.

-É Deus?
-Acho que é.
-Você não sabe?
-É Deus,mas não sei explicar.
-E como é?Como Deus é?
-Ah, é um espaço infindo, de gloriosos pensamentos sem palavras, são anjos de energia pura com asas desaparecidas…

Não, não é isso.,Quero falar claramente:
Deus é como quando você acorda de manhã e respira,
ou quando toma água e a água é fresca;
É a volta da respiração, lá em cima.

.
É ouvir o ruido do milho crescendo,
ou o do bambú que cresce também.
É a alegria sem causa
e o torpor do sono;
é dormir sem sonhos,
profundamente.

Não é muita coisa…É isso.
É não maltratam a menininha,
nem o menininho,
nem em um olhar.

-Acho que olhar a menininha sem a maltratar,
isso é Deus a olhar.
Pois é, É a Consciência Pura esse olhar.

-Por que você voltou?.
-Daquele olhar?
-De estar lá.
– Não sei, tive a impressão de que você me chamava.
-É, eu também queria estar lá e olhar.
-Vamos juntos; eu vou voltar e você pode também ficar lá
– O que eu preciso fazer?
-Nada. Nem testemunhar.Você saberá.

Lin de Varga