EIS QUE TRAGO O QUE SABE O NÃO MANIFESTO

O MUNDO VISTO PELA PRIMEIRA VEZ

“C’est ce qu’on expérimente dans la pure vision : le monde est vu pour la première fois, dans une fraicheur joyeuse et dans une pure perception au-delà des mots. C’est comme si un voile se déchirait brutalement pour nous révéler une présence du monde inconnue et silencieuse, comme si tout le Réel acquérait d’un coup une valeur infinie.

C’est la source de l’art des grands artistes, et cette vision est accessible à chacun d’entre nous, maintenant, si nous regardons à partir de l’espace transparent de la conscience et non plus à partir des yeux d’un individu.”

“É isso o que se experimenta na pura visão: O mundo é visto, pela primeira vez, em um frescor alegre e em uma pura percepção além das palavras..É como se um véu fosse rasgado, brutalmente,para nos revelar uma presença do mundo desconhecida e silenciosa, como se todo o real adquirisse de um golpe um valor infinito.
Esta é a raiz da arte dos grandes artistas, e essa visão é acessível a cada um dentre nós, agora, se nós olharmos a partir do espaço transparente da consciência e não mais dos olhos de um indivíduo.”
O texto é de Jose Le Roy,visto acima em francês.
Mantive “consciência” com “c” inicial minúsculo,em obediência à tradução; teria preferido usar “Consciência”, com “C” maiúsculo, ao feitio de Sri Nisargadatta Maharaj.
Esse olhar de que fala JLR, quando você percebe que está vendo de uma forma nova,eu diria com um êxtase de ver diretamente,claramente a presença do mundo, é algo transcendente e belo e só poderá ser proporcionado pelo “olhar da Pura consciência”.
Todos que já expermentaram isso,sabem do que falo; e nunca mais perderão tal percepção maravilhosa.Podem até tê-la embotada em alguns momentos da vida, embriagados de conceitos ou vinho, mas voltarão à ela tão logo regressem à sobriedade.

LIN DE VARGA

Deixe um comentário

Seu comentário